Você sabia que o primeiro carro a álcool completa 40 anos em 2019? - Royal FIC

Você sabia que o primeiro carro a álcool completa 40 anos em 2019?

08 julho de 2019

Exatamente no mês de julho de 1979 era lançado o primeiro veículo movido a álcool no Brasil: o Fiat 147. Começou a ser vendido quatro meses depois que os primeiros 16 postos colocaram álcool nas bombas, iniciativa que fazia parte do Programa Nacional do Álcool (Proálcool), criado pelo governo para incentivar a produção de um combustível extraído do álcool de cana-de-açúcar e que fosse genuinamente nacional e mais barato que a gasolina. O Fiat 147 foi produzido até 1987 e, nesse período, estima-se que foram comercializadas 120.500 unidades. Comprar um carro como o Fiat 147 compensava muito, pois o preço do álcool chegava a ser 50% menor que o da gasolina. E o melhor: o motor 1.3 era potente para a época e emitia bem menos gases poluentes.

Quem inventou o motor a álcool?

O motor movido a etanol foi inventado por um brasileiro, o engenheiro Urbano Ernesto Stumpf. Natural de Não-Me-Toque (RS), o engenheiro desenvolveu a tecnologia que permitiu aos motores de ciclo Otto (ciclo termodinâmico mais comum em motores de automóveis) rodarem de forma regular com etanol.

Contratado pelo ex-presidente Ernesto Geisel, o engenheiro contribuiu para a criação do Proálcool, implementado por decreto governamental em novembro de 1975. As primeiras fases de testes foram realizadas no Centro Técnico Aeroespacial (CTA) em São José dos Campos e, em 1975, os veículos Dodge Polara, VW Fusca e Gurgel Xavante foram os primeiros a funcionar com álcool. Para que os veículos fossem testados, uma caravana com os três carros percorreu nove estados brasileiros por 21 dias também como maneira de difundir o álcool como combustível viável.

Os altos e baixos do carro a álcool!

O Proálcool foi muito bem-aceito pelas montadoras. Depois do Fiat 147, outros modelos ganharam o mercado no começo dos anos 80. Em 1986, para se ter uma ideia, a produção de álcool combustível chegou ao ápice e 90% dos carros de passeio produzidos no Brasil já eram movidos a álcool.

Nos anos 90, com a queda do preço da gasolina e as altas no preço do álcool, o índice de carros saindo das fábricas caiu muito, chegando a cerca de 1% da demanda por etanol, ou seja, o álcool só viria a suprir duas necessidades: abastecer os carros antigos e servir de mistura para o combustível anidro, quando adicionado à gasolina.

Em 2003, com a implementação dos carros flex fuel, que rodam com os dois combustíveis, o mercado de etanol passou a crescer novamente.